MARIA CRISTINA FLORES DE LIMA / Despachante de Trânsito em Montenegro:

 

Em 1977, na cidade de Montenegro, Maria Cristina Flores, então com 17 anos de idade, comprou o escritório de sua antiga patroa que era despachante. Imediatamente após este investimento, contratou um funcionário para auxiliá-la. No início, necessitou do apoio da família para ajudá-la a manter-se, pois o faturamento do escritório contemplava apenas para cobrir as despesas básicas, como água, luz, folha de pagamento, etc.
Mais de 30 anos decorridos, Cristina só tem a agradecer por ter optado em exercer esta atividade profissional no qual teve uma importância impar em sua vida, lhe proporcionando oportunidades para tomar suas próprias decisões com competência e responsabilidade.
Um fato que marcou sua história profissional foi quando esteve, entre poucos, representando a categoria, sentada à mesa de negociação para regularizar a atividade de despachante no Palácio do Governo com o Secretário de Segurança Pública.
Cristina é associada do SINDERGS desde a sua fundação e esteve presente em todos os congressos, reuniões e audiências em que o sindicato se fez presente, junto ao Detran-RS, por ocasião da instalação da Autarquia. Fez parte da Diretoria, embora por um breve período.
Na opinião de Cristina, o SINDERGS impacta diariamente junto aos despachantes promovendo o seu fortalecimento, seja oferecendo capacitação, intermediando melhorias junto ao Detran-RS, e mantendo política de relacionamento com os diversos órgãos ligados à atividade.
Em Montenegro, Cristina percebe que a imagem do despachante melhorou muito, mas, percebe também, que os despachantes são mais procurados por clientes que não tem tempo para enfrentar burocracias e filas ou por clientes que não tem acesso as informações.
Particularmente, Cristina vê como muito boa à imagem do despachante, pois hoje são mais respeitados e, também, porque têm um leque muito maior de assuntos no qual podem representar seus clientes.
Finalizando, Cristina completa:
“ Buscar aperfeiçoamento constante, é importante para o crescimento profissional e, sobretudo, que todos sejam sindicalizados, pois somente teremos uma categoria forte com a união dos profissionais.”

Novembro/2012